ENERGIA SOLAR E QUALIDADE DE VIDA

ENERGIA SOLAR E QUALIDADE DE VIDA

Quando falamos em energia limpa, principalmente a energia solar, logo pensamos em uma fonte energética que  agrida o  mínimo possível o meio ambiente, procurando minimizar a emissão de gases causadores de efeito estufa na atmosfera bem como a redução de outros impactos ambientais. Trata-se de um conceito bastante amplo e usado cada vez mais pelas empresas que buscam construir uma imagem positiva junto aos clientes e acionistas, em um mundo no qual os recursos naturais são limitados e as alterações climáticas se apresentam de forma ameaçadora.

Os impactos ambientais que cada tipo de fonte energética pode gerar são específicos, e abrangem situações que vão além de interferência humana em um ecossistema, alcançando questões de qualidade de vida humana dentro e fora dos centros urbanos, e o próprio desenvolvimento econômico das comunidades. Tudo isso é preciso ser levado em conta em um estudo sério sobre se adotar esta ou aquela fonte de energia, lançando mão de uma visão global sobre a sustentabilidade na matriz energética afim de se evitar que adoções descoordenadas de tecnologias acabem por resultar em mais propaganda do que resultados positivos.

Enquanto grandes cidades ao redor do mundo optam por transportes movidos por energias não poluentes, como os trens, ônibus ou carros elétricos, sempre cabe a reflexão sobre se, ao olharmos no “atacado”, a energia que move estes veículos é de fato não poluente. E a resposta para isto está diretamente relacionada à estrutura da matriz energética adotada, uma vez que estes veículos estão conectados a um sistema elétrico em particular. Pode-se abastecê-los, por exemplo, com energia gerada preponderantemente por termoelétricas movidas a carvão, como é o caso da China, nuclear, como é na França, ou por usinas hidrelétricas, que é o caso brasileiro.

Para garantir uma alternativa sustentável de desenvolvimento é preciso pensar na matriz energética como uma cadeia de processos, desde a geração até o consumo. Deve-se balancear fontes de energias renováveis de diversos tipos e sistemas de consumo limpos e eficientes, durante todo o ciclo de vida do produto.

Nesse contexto, a energia solar fotovoltaica destaca-se como uma das fontes de energia mais versáteis. A energia solar permite uma enorme gama de aplicações, desde fazendas solares, ocupando grandes áreas de terra dedicadas aos painéis de geração e com capacidade da ordem de vários Megawatts de potência, à aplicação de sistemas de geração distribuída instalados no telhado de residências, com potência compatível com o consumo de uma família. Outras formas de implementação também são utilizadas mundo afora e mesmo no Brasil, onde estudos já são feitos no sentido de se aproveitar a grande área alagada das usinas hidrelétricas para a instalação de parques de geração de energia solar flutuantes.

Outro fator interessante da energia solar fotovoltaica é seu potencial estético, cada vez mais explorado por arquitetos e designers. Os painéis fotovoltaicos podem ser integrados à arquitetura de uma construção, levando além de economia nas tarifas energéticas, um design que pode se tornar umSem títuloa alternativa interessante para fachadas e telhados de edifícios e empresas para as quais é importante aliar suas imagens a uma ideia de modernidade e sustentabilidade.  

Os painéis fotovoltaicos podem ser integrados ao design de uma construção, trazendo um aspecto futurista e inovador.

 

É importante que todos estes fatores sejam levados em conta na formulação de políticas públicas para o setor de energia elétrica, estimulando o uso de fontes de energia adaptadas à realidade local. Deve-se refletir tanto sobre os impactos ambientais diretos de uma fonte de energia quanto os mais indiretos, relativos ao conforto visual, vital para o caso de cidades grandes ou regiões turísticas, à poluição sonora e ao próprio ganho econômico advindo da redução das contas de energia elétrica, o que pode fazer uma grande diferença no orçamenSem título2to de famílias de baixa renda.

Felizmente, a busca por esses objetivos está cada vez mais próxima ao cidadão comum, que pode ajudar a promover a geração de energia através de fontes renováveis limpas em sua própria residência, resultando em impactos econômicos no orçamento familiar, além de contribuir diretamente para a melhoria do meio ambiente, do qual depende nossa qualidade de vida.

 

Veja aqui projetos de arquitetura contemporânea dialogando com a estética de painéis fotovoltaicos (em inglês).

 

Raul Micena

Engenheiro Eletricista

GreenBras Energia Limpa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *